quarta-feira, 21 de novembro de 2012

DOENÇA DE CHAGAS

A doença de Chagas, mal de Chagas ou chaguismo, também chamada tripanossomíase americana, é uma infecção causada pelo protozoário cinetoplástida flagelado Trypanosoma cruzi[1], e transmitida por insetos, conhecidos no Brasil como barbeiros, ou ainda, chupança, fincão, bicudo, chupão, procotó, (da família dos Reduvídeos (Reduviidae), pertencentes aos gêneros Triatoma, Rhodnius e Panstrongylus. Trypanosoma cruzi é um membro do mesmo gênero do agente infeccioso africano da doença do sono e da mesma ordem que o agente infeccioso da leishmaniose, mas as suas manifestações clínicas, distribuição geográfica, ciclo de vida e de insetos vetores são bastante diferentes.
Os sintomas da doença de Chagas podem variar durante o curso da infecção. Nos primeiros anos, na fase aguda, os sintomas são geralmente lentos, pouco mais do que inchaço nos locais de infecção. À medida que a doença progride, durante até cinquenta anos, os sintomas tornam-se crônicos e graves, tais como insuficiência cardíaca e desordens do sistema digestivo. Se não tratada, a doença crônica é muitas vezes fatal. Os tratamentos medicamentosos atuais para esta doença são pouco satisfatórios. Os medicamentos tem efeitos colaterais significativos e são, muitas vezes, ineficazes, em especial na fase crônica da doença. Pacientes em estado grave são muitas vezes encaminhados ao transplante cardíaco, porém não há cura para a doença.

Sinais e sintomas

Criança com chagoma característico no olho direito e edema da pálpebra: o sinal de Romaña
A doença tem uma fase aguda, de curta duração, que em alguns doentes progride para uma fase crônica. Dentre os sintomas possíveis na fase aguda estão[2]:
Porém a fase aguda é frequentemente pouco sintomática, geralmente passando despercebida, motivo pelo qual é tão difícil fazer a prevenção adequada de Chagas. A incubação dura de uma semana a um mês após a picada. No local da picada pode-se desenvolver uma lesão volumosa, o chagoma, local eritematosa (vermelha), inflamação e dor nos gânglios e edematosa (inchada). Se a picada for perto do olho é frequente a conjuntivite com edema da pálpebra, também conhecido por sinal de Romaña. Raramente ocorre também infecção da meninge. Entre 20 a 60% dos casos agudos se transformam, em 2 a 3 meses, em portadores com parasitas sanguíneos continuamente, curando-se os restantes. No entanto, em todos os casos param os sintomas após cerca de dois meses. Muitos, mas não todos, os portadores do parasita desenvolvem sintomas devido à doença crônica.
O caso crônico permanece assintomático durante cinco a trinta anos. No entanto neste período de bem-estar geral, o parasita está a reproduzir-se continuamente em baixos números, causando danos sérios a órgãos como baço, intestino, sistema nervoso, coração, e causa também pequenos danos no pulmão. O fígado também é afetado mas como é capaz de regeneração, os problemas são raros. O resultado é apenas aparente após uma ou duas décadas de progressão, com aparecimento gradual de demência (3% dos casos iniciais), cardiomiopatia (em 30% dos casos), ou dilatação do trato digestivo, conhecidas como megaesófago ou megacólon (6% dos casos iniciais), devido à destruição da inervação e das células musculares destes órgãos, responsável pelo seu tónus muscular. No cérebro há frequentemente formação de granulomas. Neste estágio a doença é frequentemente fatal, mesmo com tratamento, geralmente devido à cardiomiopatia (insuficiência cardíaca). No entanto o tratamento pode aumentar a esperança e qualidade de vida (ver mais abaixo secção sobre tratamento).
Há ainda infrequentemente casos de morte súbita, quer em doentes agudos quer em crónicos, devido à destruição pelo parasita do sistema condutor dos batimentos no coração ou danos cerebrais em áreas críticas.

Percevejos

Os principais percevejos hematófagos (que se alimentam de sangue) da subfamília Triatominae (família Reduviidae) das espécies pertencentes aos gêneros Triatoma, Rhodnius e Panstrongylus, sendo os principais vetores o:
O barbeiro é o principal vetor da doença, responsável por mais de 50% dos casos, e habitando 11 estados brasileiros. Se infecta ao sugar o sangue de um organismo infectado. No intestino do vetor, o tripomastigoto se transforma em epimastigoto que então se reproduz. O tripomastigoto não se reproduz. O homem por sua vez, é infectado pelas fezes ou urina contaminadas do Triatomíneo (barbeiro no Brasil) que, enquanto suga o sangue, defeca nesse mesmo local. O DDT ainda é usado no controle dos percevejos apesar de sua toxicidade.
Em florestas densas esses percevejos são controlados por seus predadores naturais (como sapos e lagartos), porém em áreas recém devastadas e rurais eles se reproduzem rapidamente sem a ameaça dos predadores.[3]

Transfusão de sangue

A infecção também pode se dar por transfusão de sangue ou transplante de órgãos, ou por via placentária. Diversos programas de saúde em países latino-americanos estão tentando controlar a incidência, dentre eles o Brasil. Desde então as de taxas de infecção natural de T. infestans foram reduzidas de 8,4% (1983) a 2,9% (em 1997).[4] Segundo o Sinan, o número de casos e mortes segue caindo rapidamente, chegando a apenas 187 notificações de casos agudos no país inteiro e apenas 3 mortes em 2008. [5]
Notícia de março de 2005 relatava uma forma alternativa, oral, de infecção, abre um campo de pesquisa ainda não explorado sobre novas formas de infestação. No entanto esta forma de transmissão é, quase certamente, rara. Embora exista uma descrição de megaesôfago por T. cruzi em Santa Catarina em 2003[6], não há evidência de infestação oral. Em SC, o T. cruzi, apesar de encontrado na proporção de 21 a 45% em um de seus reservatórios naturais, o gambá (Didelphis marsupialis), existe nesta espécie sob uma forma menos infectante que a encontrada em Minas Gerais, onde a doença de Chagas é endêmica.

Transmissão vertical

O parasita pode ser transmitido tanto por via placentária quanto pelo leite materno.[7] A transmissão representa cerca de 13% das mortes durante o parto em algumas partes do Brasil.[8] Em Minas Gerais cerca de 1% das grávidas tem chagas. [9] Em alguns municípios do Brasil o número de grávidas contaminadas chega a 33%, enquanto em outros os casos são raros. A pasteurização do leite materno pode prevenir a transmissão da doença.[10]
Não existem ainda medidas que evitem a transmissão vertical do parasita, logo a estratégia de controle da infecção congênita é centrada no diagnóstico precoce da infecção em recém-nascidos de mães infectadas e em tratamento específico imediato das crianças ao nascimento. Não se trata o Chagas durante a gravidez pois é difícil acompanhar eficazmente as reações do feto no útero. Felizmente, crianças tratadas ao nascer tem altos índices de cura.[11]

Açaí e cana de açucar

Há ainda casos recentes no Pará que podem estar ligados ao consumo de açaí, estão sendo pesquisados para comprovar essa ligação, pois a fruta pode ser tirada junto com o inseto transmissor e o preparo do alimento talvez não seja seguro[12]. Para impedir a transmissão a cana e o açaí devem ser pasteurizados, como normalmente é feito nos produtos industrializados, porém não pelos vendedores de sucos artesanais. Em 2007 estimam que 37 contaminações por mal de Chagas ocorreram no Pará dessa forma.[13]

Relações sexuais

A relação sexual é uma forma de transmissão nunca comprovada na espécie humana, porém já foram encontrados tripomastigotas em menstruação de mulheres com chagas e no esperma de cobaias infectadas.[14]

Diagnóstico

'Trypanosoma cruzi' visto no plasma sanguíneo usando um microscópio.
O diagnóstico pode ser:
  1. Usando microscópio para buscar o parasita no sangue do paciente, o que é possível apenas na fase aguda após cerca de 2 semanas depois da picada. Detecta mais de 60% dos casos nesta fase.
  2. Xenodiagnóstico, onde o paciente é intencionalmente picado por barbeiros não contaminados e, quatro semanas depois, seu intestino é examinado em busca de parasitas; ou pela inoculação de sangue do doente em animais de laboratório e verificação se desenvolvem a doença aguda.
  3. Detecção do DNA do parasita por PCR (reação em cadeia da polimerase).
  4. Detecção de anticorpos específicos contra o parasita no sangue. É útil nos casos crónicos mas a distinção entre estes e as curas é difícil. Os testes sorológicos sendo os mais utilizados a imunofluorescência indireta (IFI), hemaglutinação (HAI) e 'enzyme-linked immunosorbent assay' (ELISA).[15]
Testes de maiores complexidades como o teste molecular, utilizando 'Polymerase Chain Reaction' (PCR) acoplado à hibridização com sondas moleculares, e o Western blot (WB) têm apresentado resultados promissores e poderão ser utilizados como teste confirmatório tanto na fase aguda como nas formas crônicas da doença (segundo Consenso do Ministério da Saúde em 2005).[15]

Prevenção

O Rhodnius prolixus também é um perigoso vetor da doença, principalmente nas áreas próximas da floresta Amazônica.
Ainda não há vacina para a prevenção da doença[16]. A prevenção está centrada no combate ao vetor, o barbeiro, principalmente através da melhoria das moradias rurais a fim de impedir que lhe sirvam de abrigo. A melhoria das condições de higiene e a limpeza frequente das palhas e roupas são eficazes. Uma forma possível de prevenir as complicações dessa doença é sendo um doador de sangue regular, pois nas áreas endêmicas fazem gratuitamente o exame para identificar Chagas em todas amostras coletadas e enviam uma carta nominal com os resultados. [17]
Basicamente, a prevenção se dá pela eliminação do vetor, o barbeiro, por meio de medidas que tornem menos propício o convívio deste próximo aos humanos, como a construção de melhores habitações, pois este inseto vive nas frestas das casas de pau-a-pique, ninhos de pássaros, tocas de animais, casca de troncos e sob pedras. Existem também bloqueadores para o parasita, ao ir a lugares que possam possuir o barbeiro, tome um banho de gelatina sem sabor ainda mole. Isso impedirá o protozoário de entrar na corrente sanguínea, assim não contrairá a doença, ficado imune a mesma durante um período de tempo razoável, cerca de 2 dias.[carece de fontes]
O uso do insecticida extremamente eficaz mas tóxico DDT está indicado em zonas endémicas, já que o perigo dos insetos transmissores é muito maior.

Tratamento

Medicamentos

Na fase inicial aguda, a administração de fármacos como nifurtimox, alopurinol e Benzonidazol curam completamente ou diminuem a probabilidade de cronicidade em mais de 80% dos casos.
A fase crônica é incurável, já que os danos em órgãos como o coração e o sistema nervoso são irreversíveis. Tratamento paliativo pode ser usado.
Segundo a DNDi, o mal de Chagas, juntamente com a doença do sono e a leishmaniose, está entre as doenças "extremamente negligenciadas", basicamente em razão da extrema pobreza dos pacientes - que, assim, estão fora do mercado da indústria farmacêutica.

Complicações

A Cardiopatia chagásica crônica (CCC), é uma das principais complicações na doença de Chagas. Trata-se de uma inflamação e destruição progressiva do tecido cardíaco, levando a alterações da condução dos impulsos elétricos no coração e arritmias. Paralelamente, ocorre um progressivo afinamento do músculo cardíaco, levando à dilatação das cavidades do coração, tendo como conseqüência a incapacidade de bombear adequadamente o sangue para o organismo, um quadro chamado de insuficiência cardíaca congestiva. Dessa forma, a CCC freqüentemente tem um curso fatal, uma vez que o tratamento é apenas sintomático e a possibilidade de realização de transplantes cardíacos é bem menor que a demanda. Em 1999 existiam cerca de 2 milhões de pacientes acometidos de CCC no Brasil. A CCC é a indicação mais comum para o implante de marca-passos cardíacos artificiais em nosso país. Nos pacientes com insuficiência cardíaca refratária, o único caminho é o transplante cardíaco, um procedimento dispendioso e inacessível a boa parte da população brasileira.[18] Estudos com animais experimentalmente infectados indicaram que o tratamento com drogas anti-T. cruzi não parece evitar a progressão da cardiopatia.
Cerca de 5% a 8% dos infectados desenvolvem alterações no tubo digestivo (os chamados megaesôfago e megacólon, aparentemente por destruição dos neurônios que controlam sua motilidade, esses problemas digestivos dificilmente levam ao óbito. Felizmente o coeficiente de mortalidade específica para doença de Chagas caiu de 5,2/100.000 habitantes, em 1980, para 3,5/100.000 em 1997, e segue em queda a cada ano. [4]

Tratamentos experimentais

Epidemiologia

Mapa da incidência da doença de Chagas
Segundo a OMS, 90 milhões de pessoas estão expostas ao risco de contaminação. [18] A Bolívia é o país que mais sofre com a doença.
A doença de Chagas afeta 8 a 10 milhões de pessoas que vivem nos países latino-americanos endêmicos, e uma quantidade adicional de 300 a 400 mil indivíduos em países não endêmicos, como a Espanha e os Estados Unidos. Estima-se que 41.200 casos novos ocorram anualmente nos países endêmicos e que 14.400 crianças nasçam por ano com a doença de Chagas congênita. Cerca de 20.000 mortes são atribuídas à doença de Chagas a cada ano.
A doença de Chagas crônica é um problema epidemiológico apenas em alguns países da América Latina, mas a migração crescente de populações aumentou o risco de transmissão por transfusão de sangue até mesmo nos EUA, e têm surgido casos da doença em animais silvestres até à Carolina do Norte.
Distribuída pelas Américas desde os EUA até a Argentina, atinge principalmente as populações rurais pobres. As casas pobres, com reboco defeituoso e sem forro, são habitat para o inseto barbeiro, que dorme de dia nas rachaduras das paredes e sai à noite para sugar o sangue da pessoas que dormem, geralmente no rosto ou onde a pele é mais fina. Os casos nos EUA de origem endémica (e não em imigrantes) são raríssimos, devido ao maior afastamento das casas dos animais e do menor número de locais dentro das casas onde os insectos possam se reproduzir.
A doença afecta muitos outros vertebrados além do Homem: cães, gatos, roedores, tatus, e gambás podem ser infectados e servir de reservatório do parasita.

História

A história da descoberta da doença de chagas tem início em 1902, quando o jovem estudante da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, Carlos Chagas, foi interpelado por Miguel Couto a frequentar o órgão de pesquisa Instituto Soroterápico, criado em 1900 pelo Barão de Pedro Afonso[19].
No ano de 1907, Carlos Chagas, solicitado agora por Oswaldo Cruz, segue para Estrada de Ferro Central do Brasil, em um pequeno vilarejo chamado Lassance, localizado ao norte de Minas Gerais, para controlar o surto de malária entre operários. Em 1903, escolhera "These Inaugural", com o tema "Estudos hematológicos no impaludismo" e uma monografia, em 1906, "Prophylaxia do Impaludismo", em que já alertava a "destruição domiciliária dos culicídios alados" como medida para controlar a malária.
Descoberta em 1909 pelo médico brasileiro Carlos Chagas , a doença não foi vista como problema até à década de '60. Estudos desenvolvidos pelo Instituto Oswaldo Cruz no município de Bambuí, Minas Gerais, possibilitaram dimensionar a moléstia como problema de saúde pública. O nome de Tripanossoma cruzi ao agente causador foi dado por Chagas em homenagem ao epidemiologista Oswaldo Cruz.
Na Argentina, a doença é chamada oficialmente Mal de Chagas-Mazza, em homenagem ao médico argentino Salvador Mazza, que em 1926 começou a estudar a enfermidade e com os anos transformou-se no principal estudioso da doença naquele país.
Uma passagem do diário de Charles Darwin levou à suposição de que ele sofresse da doença de Chagas, em consequência da picada de um inseto, e esta seria a causa do declínio de sua saúde depois da viagem no Beagle. Testes feitos com técnicas PCR em seus restos mortais não foram conclusivos.
Um dos centros de excelência da pesquisa médica em doença de Chagas é a Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto, onde nos anos 50 o Dr. Fritz Köberle demonstrou que os amastigotos destroem os neurônios do sistema nervoso autônomo no intestino e no coração.
Carlos Chagas, em seu laboratório no Instituto Oswaldo Cruz.
A doença foi nomeada em homenagem ao cientista brasileiro e infectologista Carlos Chagas, que foi o primeiro a descrevê-la em 1909,[20][21][22][23] mas a enfermidade não foi vista como um problema maior de saúde pública até a década de 1960 (a epidemia da doença de Chagas no Brasil na década de 1920 foi amplamente ignorada[24]). Chagas descobriu que o intertino da Triatomidae (atualmente Reduviidae: Triatominae) abrigava um protozoário flagelado, uma nova espécie do gênero Trypanosoma, e foi capaz de provar experimentalmente que poderia ser transmitida a saguis do gênero Callithrix que haviam sido mordidos pelo inseto infectado. Estudos posteriores mostraram que o macaco-esquilo também era vulnerável a infecção.[25]
Chagas nomeou o parasita patogênico como Trypanosoma cruzi[20] e posteriormente no mesmo ano como Schizotrypanum cruzi,[22] ambos homenageando o epidemiologista Oswaldo Cruz, que havia combatido com sucesso as epidemias de febre amarela, varíola e peste bubônica na cidade do Rio de Janeiro e outras cidades no início do século XX. O trabalho de Chagas permanece único na história da medicina por ter sido o único pesquisador a descrever por completo uma nova doença infecciosa, seu patógeno, vetor, hospedeiro, manifestações clínicas e epidemiologia.
 


FONTE DE PESQUISA: WIKIPÉDIA

FORTALECER O CASAMENTO

3ª AULA DO CURSO FORTALECER O CASAMENTO
       PROMOVER A IGUALDADE E A UNIÃO


OBJETIVO

 COMPREENDER QUE OS CÔNJUGES DEVEM AMAR-SE E CUIDAR UM DO OUTRO COMO PARCEIROS IGUAIS NO CASAMENTO;
SUPRIMIR ATITUDES E COMPORTAMENTOS QUE  RESULTEM EM DESIGUALDADE EDOMÍNIO INJUSTO;
ENTENDER QUE A MAIOR FELICIDADE PODERÁ SER ALCANÇADA QUANDO OS ESFORÇOS DOS CÔNJUGES FOREM COMPLEMENTARES E ELES ENFRENTAREM E SUPERAREM AS DIFICULDADES JUNTOS.

TÓPICOS

1. ATINGIR TODO O NOSSO POTENCIAL

2. PROMOVER A IGUALDADE

. AMAR-SE E RESPEITAR-SE COMO PARCEIROS IGUAIS
.PRESIDIR EM RETIDÃO
. IDENTIFICAR E REFREAR O INSTINTO CONTROLADOR.
. IDENTIFICAR E CORRIGIR OS PENSAMENTOS E CRENÇAS SOBRE O CONTROLE.
. DIVIDIR A TOMADA DE DECISÕES.
.SER PERSISTENTE 

3. AGIR E REGOZIJAR-SE COMO UM SÓ.



segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Para Meditar

       Ser Feliz ou Ter Razão?


‘Nunca se justifique. Os amigos não precisam e os inimigos não acreditam’.

Oito da noite, numa avenida movimentada.
O casal já está atrasado para jantar na casa de uns amigos.
O endereço é novo, bem como o caminho que ela consultou no mapa antes de sair.
Ele conduz o carro.
Ela orienta e pede para que vire, na próxima rua, à esquerda.
Ele tem certeza de que é à direita…
Discutem.
Percebendo que além de atrasados, poderão ficar mal-humorados, ela deixa que ele decida.
Ele vira à direita e percebe, então, que estava errado.
Embora com dificuldade, admite que insistiu no caminho errado, enquanto faz
o retorno.
Ela sorri e diz que não há nenhum problema se chegarem alguns minutos atrasados.
Ele questiona: – Se tinhas tanta certeza de que eu estava indo pelo caminho errado, por que não insistiu um pouco mais?
Ela diz: – Entre ter razão e ser feliz, prefiro ser feliz!!! Estávamos à beira de uma discussão, se eu insistisse mais, teríamos estragado a noite!
MORAL DA HISTÓRIA:
Quanta energia nós gastamos apenas para demonstrar que temos razão, independentemente, de tê-la ou não.
Tenho me perguntado com mais frequência: ‘Quero ser feliz ou ter razão?’

CONSELHOS DE UMA ÁRVORE!


Conselhos de uma árvore
(Texto por Gui Tesla)

Primeiramente entenda a importância dos mais velhos. Uma árvore ainda pequena e sozinha em um campo seria facilmente arrancada pela tempestade, mas em meio a tantas outras árvores maiores encontra abrigo e proteção.
Quando for crescer, antes de se preocupar em chegar ao topo você precisará ir bem fundo para construir raízes fortes e sólidas. Mas à med
ida que for crescendo nunca esqueça que também precisará aumentar a suas raízes.
Compreenda que toda a beleza e elegância de outras árvores poderá “desaparecer” na próxima estação, mas não terá sido em vão, toda aquela imponência se transformara em alimento para as próximas fases da vida.
Valorize cada momento de sua vida, hoje você pode acreditar não estar na sua melhor fase, mas será apenas uma questão de tempo até você reencontrar o seu melhor na próxima estação.
Nunca deseje a queda de outras árvores, quando uma árvore cai em meio a floresta o desastre é gigantesco, ela pode levar outras árvores menores, você pode estar a sombra dessa árvore ou em seu raio de influência sem ao menos perceber.
No dia que conquistar o topo e enfim for uma árvore grande e forte, não esqueça que você precisará proteger as próximas gerações e será sua responsabilidade nutrir os mais jovens com os seus frutos. Mas principalmente não esqueça que as árvores nunca dão as costas pra ninguém, elas estão sempre de frente pra tudo e aproveitam o melhor de cada estação.
— com Julio Goncalves e Gui Tesla.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

A IMPORTÂNCIA DO SEMINÁRIO!


O SEMINÁRIO PARA MUITOS JOVENS, SÓ TERÁ IMPORTÂNCIA QUANDO ELES ESTIVEREM DIANTE DE ALGUMA SITUAÇÃO EM QUE SEJA PRECISO DEMONSTRAR SEU CONHECIMENTO DAS ESCRITURAS OU QUANDO TIVEREM SEUS PRÓPRIOS FILHOS EM IDADE DO SEMINÁRIO, E NÃO PUDEREM ENSINAR-LHES PELO EXEMPLO QUE O SEMINÁRIO FAZ A DIFERENÇA EM SUAS VIDAS.
O JOVEM QUE FREQUENTA O SEMINÁRIO, TORNA-SE UM JOVEM QUE CONHECE O SEU PASTOR, ELE CONSEGUIRA RECONHECER A SUA VOZ E O SEGUIRÁ.
NÃO PODEREMOS RECONHECER NOSSO PASTOR SE NÃO ESTUDARMOS SOBRE ELE.
AS BENÇÃOS QUE RECEBEREMOS EM DECORRÊNCIA DE NOSSA FREQUÊNCIA ÀS AULAS DO SEMINÁRIO, SERÃO VISÍVEIS AO LONGO DOS ANOS EM TODA A NOSSA VIDA.

NÃO DEIXE PASSAR OS MELHORES ANOS DE SUA VIDA EM BRANCO, COM UM VAZIO DE CONHECIMENTO. LEMBRE-SE QUE DEVEMOS ESCREVER OS ESTATUTOS DO SENHOR EM NOSSO CORAÇÃO. NO FINAL AS NOSSAS OBRAS DETERMINARÃO PARA QUAL REINO NOS PREPARAMOS E NÃO SEREMOS TOMADOS POR INOCENTES!

DECIDAM HOJE A QUE SENHOR IREIS SERVIR!
 
 
 
 

terça-feira, 6 de novembro de 2012

MENSAGEM INSPIRADORA!

                     PRESIDENTE DIETER F. UCHTDORF
                               REMORSOS E DECISÕES


Quanto mais nos dedicarmos à busca da santidade e da felicidade, menos provável será que estejamos no caminho do remorso.

Remorsos

Presidente Monson, nós o amamos. Obrigado pelo anúncio inspirado e histórico sobre a construção de novos templos e sobre o trabalho missionário. Devido a eles, estou certo de que grandes bênçãos virão a nós e a muitas futuras gerações.
Queridos irmãos e irmãs, meus queridos amigos! Somos todos mortais. Espero que isso não seja surpresa para ninguém.
Nenhum de nós estará na Terra por muito tempo. Temos um número de anos preciosos, os quais, na perspectiva eterna, mal duram um piscar de olhos.
E então partimos. Nosso espírito “é levado de volta para aquele Deus que [nos] deu vida”.1 Deixamos nosso corpo e as coisas materiais deste mundo para trás ao mover-nos para a próxima esfera da nossa existência.
Quando somos jovens, parece-nos que viveremos para sempre. Achamos que há uma quantidade ilimitada de alvoradas esperando logo além do horizonte, e o futuro nos parece uma estrada ininterrupta que se estende infinitamente a nossa frente.
Contudo, quanto mais velhos ficamos, mais tendemos a olhar para trás e a nos admirar de quão curta é a estrada na verdade. Ficamos assombrados ao ver como os anos passaram tão rapidamente. E começamos a pensar nas escolhas que fizemos e nas coisas que realizamos. Nesse processo, lembramos de muitos momentos agradáveis que nos aquecem a alma e alegram o coração. Mas lembramos dos remorsos — das coisas que gostaríamos de voltar no tempo e mudar.
Uma enfermeira que cuida de doentes terminais disse que geralmente faz uma simples pergunta a seus pacientes quando estes se preparam para deixar esta vida.
“Tem algum remorso?” pergunta ela.2
Essa proximidade do dia final da mortalidade geralmente produz uma clareza de pensamentos e proporciona entendimento e perspectiva. Portanto, quando ela perguntava àquelas pessoas sobre seus remorsos, eles abriam o coração. Refletiam sobre o que teriam mudado se pudessem voltar no tempo.
Ao considerar o que disseram, chamou-me a atenção o quanto os princípios fundamentais do evangelho de Jesus Cristo podem influenciar o rumo de nossa vida para o bem, se simplesmente os colocarmos em prática.
Nada há de misterioso em relação aos princípios do evangelho. Nós os estudamos nas escrituras, trocamos ideias sobre eles na Escola Dominical e os ouvimos do púlpito muitas vezes. Esses princípios e valores divinos são diretos e claros. São belos, profundos e poderosos, e sem dúvida podem ajudar-nos a evitar remorsos futuros.

Gostaria de Ter Passado Mais Tempo com as Pessoas Que Amo

Talvez o remorso mais universal que os pacientes terminais expressaram foi o de que desejariam ter passado mais tempo com as pessoas a quem amavam.
Os homens, em especial, entoam esta lamúria universal: “Lamentam profundamente ter passado tanto tempo de sua vida no moinho [diário] do (…) trabalho”.3 Muitos perderam a oportunidade de criar recordações especiais de momentos que passaram com a família e com os amigos. Sentem falta de ter desenvolvido um vínculo profundo com aqueles que mais significavam para eles.
Não é verdade que com frequência ficamos ocupados demais? Além disso, é triste dizer, até usamos nosso trabalho como uma medalha de honra, como se o fato de estarmos atarefados, por si só, fosse uma realização ou um sinal de uma vida superior.
Mas será que é?
Penso em nosso Senhor e exemplo, Jesus Cristo, e em Sua curta vida em meio ao povo da Galileia e de Jerusalém. Tentei imaginá-Lo correndo de uma reunião para outra ou fazendo mil coisas ao mesmo tempo para cumprir uma lista de coisas urgentes.
Não consigo ver isso.
Em vez disso, vejo o compassivo e carinhoso Filho de Deus vivendo com propósito a cada dia. Quando Ele interagia com as pessoas a Seu redor, elas se sentiam importantes e amadas. Ele conhecia o infinito valor das pessoas que encontrava. Ele as abençoou e ministrou a elas. Ergueu-as e curou-as. Deu-lhes a preciosa dádiva de Seu tempo.
Em nossos dias, é fácil simplesmente fingir que passamos um tempo com as pessoas. Com um clique do mouse podemos “conectar-nos” com milhares de “amigos” sem sequer ter de encarar um só deles. A tecnologia pode ser uma coisa maravilhosa, e é muito útil quando não podemos estar próximos de nossos entes queridos. Minha mulher e eu moramos bem longe de preciosos familiares; sabemos como é isso. Contudo, creio que não estamos indo na direção certa, tanto individualmente quanto como sociedade, quando nos conectamos com a família ou amigos especialmente para repassar imagens bem-humoradas, reencaminhar coisas triviais ou enviar links da Internet a nossos entes queridos. Suponho que haja espaço para esse tipo de atividade, mas quanto tempo estamos dispostos a ocupar-nos com isso? Se deixarmos de compartilhar nossa presença, nosso tempo e nossa atenção exclusiva com aqueles que nos são realmente importantes, um dia teremos remorso disso.
Tomemos a decisão de valorizar aqueles a quem amamos passando um tempo significativo com eles, fazendo coisas juntos e cultivando lembranças preciosas.

Gostaria de Ter Vivido à Altura de Meu Potencial

Outro remorso que as pessoas expressaram foi o de terem deixado de se tornar a pessoa que sentiam que poderiam e deveriam ter sido. Ao rever sua vida, deram-se conta de que nunca viveram à altura de seu potencial, e que muitas possibilidades não foram plenamente aproveitadas.
Não estou falando aqui de galgar a escada do sucesso em nossas várias profissões. Essa escada, por mais sublime que possa parecer nesta Terra, nem chega a representar um único degrau na grande jornada eterna que nos aguarda.
Em vez disso, refiro-me a tornar-nos a pessoa que Deus, nosso Pai Celestial, desejava que fôssemos.
Chegamos a este mundo, como disse o poeta, “trilhando nuvens de glória”,4 vindo da esfera pré-mortal.
Nosso Pai Celestial vê nosso real potencial. Ele sabe coisas a nosso respeito que nós mesmos não sabemos. Ele nos inspira durante a vida a cumprirmos a medida de nossa criação, a vivermos uma boa vida e a retornarmos a Sua presença.
Por que, então, dedicamos tanto de nosso tempo e de nossa energia a coisas que são tão fugazes, tão sem importância e tão superficiais? Por que nos recusamos a ver a insensatez de buscar coisas triviais e temporárias?
Não nos seria mais sensato “[ajuntar] tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam”?5
Como fazemos isso? Seguindo o exemplo do Salvador, incorporando Seus ensinamentos a nosso cotidiano e realmente amando a Deus e a nosso próximo.
Sem dúvida não podemos realizar isso com uma abordagem de discipulado do tipo “fazer de má vontade”, “ficar olhando para o relógio” ou “reclamar o tempo todo”.
No tocante à aplicação prática do evangelho, não podemos ser como o menino que só molha o dedão do pé na água e diz que nadou. Como filhos e filhas de nosso Pai Celestial, somos capazes de fazer muito mais. Para isso, as boas intenções não são suficientes. Precisamos fazer. E ainda mais importante, precisamos tornar-nos o que o Pai Celestial deseja que sejamos.
É bom declarar nosso testemunho, mas ser um exemplo vivo do evangelho restaurado é melhor. É bom desejar sermos mais fiéis a nossos convênios; mas é bem melhor realmente ser fiel aos convênios sagrados, o que inclui viver de modo virtuoso, pagar nosso dízimo e nossas ofertas, cumprir a Palavra de Sabedoria e prestar serviço aos necessitados. É bom anunciar que vamos dedicar mais tempo à oração familiar, ao estudo das escrituras e a atividades familiares sadias; mas é quando realmente fazemos todas essas coisas com constância que recebemos as bênçãos do céu em nossa vida.
O discipulado é a busca da santidade e da felicidade. É o caminho para uma existência melhor e mais feliz.
Tomemos a decisão de seguir o Salvador e de trabalhar com diligência para nos tornar a pessoa que fomos designados a nos tornar. Ouçamos e obedeçamos aos sussurros do Santo Espírito. Ao fazermos isso, o Pai Celestial vai revelar-nos coisas que não sabíamos a nosso próprio respeito. Ele vai iluminar o caminho a nossa frente e abrir nossos olhos para que vejamos nossos talentos que desconhecíamos ou nem sequer imaginávamos que existiam.
Quanto mais nos dedicarmos à busca da santidade e da felicidade, menos provável será que estejamos no caminho do remorso. Quanto mais confiarmos na graça do Salvador, mais sentiremos que estamos no caminho que nosso Pai Celestial planejou para nós.

Gostaria de Ter-me Permitido Ser Mais Feliz

Outro remorso daqueles que sabem que estão morrendo pode ser de certa forma surpreendente. Eles desejariam ter-se permitido ser mais felizes.
Muito frequentemente temos a ilusão de que há algo que está quase a nosso alcance e que nos traria felicidade — uma melhor situação familiar, uma melhor condição financeira ou o fim de uma provação difícil.
Quanto mais velhos ficamos, mais olhamos para trás e nos damos conta de que as circunstâncias externas realmente não importam nem determinam nossa felicidade.
Nós é que importamos. Nós determinamos nossa felicidade.
Vocês e eu, no final das contas, é que estamos encarregados de nossa própria felicidade.

Minha mulher, Harriet, e eu adoramos andar de bicicleta. É maravilhoso sair ao ar livre e desfrutar as belezas da natureza. Temos certas rotas que gostamos de percorrer de bicicleta, mas não prestamos muita atenção à distância que percorremos ou na rapidez em que viajamos em relação aos outros ciclistas.
Contudo, às vezes, eu penso que deveríamos ser um pouco mais competitivos. Até acredito que conseguiríamos fazer um tempo melhor ou ir mais depressa se apenas nos esforçássemos um pouco mais. E às vezes até cometo o grande erro de mencionar essa ideia para minha maravilhosa esposa.
Sua reação típica para minhas sugestões dessa natureza é sempre muito bondosa, bem clara e muito direta. Ela sorri e diz: “Dieter, não estamos numa corrida, é um passeio. Desfrute o momento”.

Como ela está certa!
Às vezes na vida, ficamos tão concentrados na linha de chegada que deixamos de encontrar alegria na jornada. Não saio para andar de bicicleta com minha mulher porque estou entusiasmado com a chegada. Eu vou porque a oportunidade de estar com ela é muito agradável e prazerosa.
Não parece tolice destruir experiências pessoais agradáveis e felizes por estarmos constantemente ansiando pelo momento em que elas chegarão ao fim?
Será que ouvimos uma bela música esperando que a nota final deixe de soar antes de nos permitir desfrutá-la de verdade? Não. Ouvimos e nos conectamos com as variações da melodia, do ritmo e com a harmonia da composição musical.
Será que fazemos oração tendo apenas o “amém” ou o final dela em mente? É claro que não. Oramos para nos aproximar de nosso Pai Celestial, para receber Seu Espírito e sentir Seu amor.
Não devemos esperar até que cheguemos a um ponto futuro para sermos felizes, ou para descobrir que a felicidade já estava a nosso alcance — o tempo todo! A vida não foi feita apenas para ser apreciada retrospectivamente. “Este é o dia que fez o Senhor (…)”, escreveu o salmista. “Regozijemo-nos, e alegremo-nos nele.”6
Irmãos e irmãs, sejam quais forem as circunstâncias, sejam quais forem nossos desafios ou nossas provações, há algo em cada dia para entesourar e valorizar. Há algo em cada dia que pode suscitar gratidão e alegria, se apenas o virmos e apreciarmos.
Talvez devêssemos olhar menos com os olhos e mais com o coração. Adoro esta citação: “Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos”.7
Somos ordenados a “render graças por todas as coisas”.8 Então não seria melhor ver com os olhos e o coração até as pequenas coisas pelas quais podemos ser gratos, em vez de magnificar as coisas negativas em nossa situação atual?
O Senhor prometeu: “E aquele que receber todas as coisas com gratidão será glorificado; e as coisas desta Terra ser-lhe-ão acrescentadas, mesmo centuplicadas”.9
Irmãos e irmãs, com as abundantes bênçãos de nosso Pai Celestial, Seu generoso plano de salvação, as sublimes verdades do evangelho restaurado e as muitas belezas desta jornada mortal, “não temos razão para regozijar-nos?”10
Decidamos ser felizes, independentemente de nossa situação.

Decisões

Um dia, daremos aquele passo inevitável e passaremos desta esfera mortal para o estado seguinte. Um dia, olharemos para trás em nossa vida e nos perguntaremos se poderíamos ter agido melhor, tomado decisões melhores ou usado nosso tempo com mais sabedoria.
Para evitar alguns dos remorsos mais profundos da vida, seria sensato tomarmos algumas decisões hoje. Portanto, vamos:
  1. Decidir passar mais tempo com aqueles a quem amamos.
  2. Decidir esforçar-nos mais sinceramente para tornar-nos a pessoa que Deus deseja que sejamos.
  3. Decidir encontrar felicidade, independentemente de nossa situação.
É meu testemunho que muitos dos mais profundos remorsos de amanhã podem ser evitados se seguirmos o Salvador hoje. Se tivermos cometido pecados ou erros — se fizemos escolhas das quais agora sentimos remorso — há a preciosa dádiva da Expiação de Cristo, por meio da qual podemos ser perdoados. Não podemos voltar no tempo e mudar o passado, mas podemos nos arrepender. O Salvador pode enxugar nossas lágrimas de remorso11 e remover o fardo de nossos pecados.12 Sua Expiação permite que deixemos o passado para trás e que prossigamos com mãos limpas, com um coração puro13 e com a determinação de agir melhor e especialmente de nos tornarmos melhores.
Sim, esta vida passa rapidamente. Nossos dias parecem sumir velozmente, e a morte parece assustadora, às vezes. Não obstante, nosso espírito continuará a viver e um dia será unido a nosso corpo ressuscitado para receber glória imortal. Presto solene testemunho de que graças ao misericordioso Cristo, todos viveremos novamente e para sempre. Graças a nosso Salvador e Redentor, um dia compreenderemos realmente e nos regozijaremos com o significado das palavras “o aguilhão da morte é desfeito em Cristo”.14
O caminho para o cumprimento de nosso destino divino como filhos e filhas de Deus é eterno. Queridos irmãos e irmãs, queridos amigos, precisamos começar a trilhar esse caminho eterno hoje. Não podemos desperdiçar um único dia sequer. Oro para que não esperemos até estarmos prestes a morrer para realmente aprendermos a viver. No sagrado nome de Jesus Cristo. Amém.

domingo, 4 de novembro de 2012

A natureza mostrando a sua força!

CONFERÊNCIA DA ESTACA SALVADOR LIBERDADE

             CONFERÊNCIA DA ESTACA SALVADOR LIBERDADE
                        ENSINAMENTOS COMPARTILHADOS:
1. AS BEM AVENTURANÇAS

QUEM SÃO OS POBRES? SÃO OS QUE VEM A CRISTO, OS QUE ACEITARAM O EVANGELHO DE JESUS CRISTO EM SUAS VIDAS.
QUEM SÃO OS TEMENTES? SÃO OS JUSTOS E DOUTRINÁVEIS, AQUELES DISPOSTOS A SEGUIR OS MANDAMENTOS DE DEUS E OS ENSINAMENTOS DOS LÍDERES.
3 NÉFI 12:2
BEM AVENTURADOS OS QU OUVEM OS NOSSOS LÍDERES.
BEM AVENTURADOS QUANDO NOS HUMILHAMOS AO SENHOR JESUS CRISTO.
QUE CADA UM DE NÓS SEJA CONSIDERADO HERDEIRO DOS CÉUS.
OS QUE CHORAM SERÃO SEMPRE CONSOLADOS.
BEM AVENTURADO OS QUE TEM FOME E SEDE DE RETIDÃO. ESSES SÃO OS QUE BUSCAM SEGUIR AS PALAVRAS DAS ESCRITURAS, OS QUE SEGUEM OS LÍDERES.
OS PUROS DE CORAÇÃO TUDO QUE FAZEM É COM REAL INTENÇÃO, NADA FAZEM COM INTENÇÕES ESCUSAS.

2. OS MISERICÓRDIOSOS, ALCANÇARÃO MISERICÓRDIA!
RELACIONAMENTOS ESTREMECIDOS E ARRUINADOS, NOS LEVAM AS VEZES A SENTIR, RAÍVA, ANGÚSTIA E RESSENTIMENTO. MAS A DOUTRINA DE CRISTO É UMA SÓ.
D&C 64:9
O APÓSTOLO PAULO DISSE AOS  ROMAQNOS QUE O JULGAR É INDESCULPÁVEL.
NO MOMEWNTO QUE JULGAMOS OS OUTROS, CONDENAMOS A NÓS MESMOS, POIS NINGUÉM HÁ SEM PECADO.
TODOS SOMOS PERFEITOS E MENDIGOS DIANTE DE DEUS. TODOS NECESSITAMOS DE SUA MISERICÓRDIA, DE SUA GRAÇA.
COMO NEGARMOS ÀS PESSOAS O QUE DESESPERADAMENTE BUSCAMOS.
OEVANGELHO DE CRISTO AJUDÁ-NOS A MUDAR NOSSO CORAÇÃO, A TRANSFORMAR NOSSA MANEIRA DE PENSAR E AGIR.
PRECISAMOS DEIXAR O AMOR DE DEUS AGIR EM NOSSA VIDA.
COMO DISCÍPULOS DE CRISTO, NÃO PAGUEMOS O MAL COM O MAL,MAS, SIM COM O BEM.
PRESIDENTE UCHTDORF DISSE: " NÃO ME JULGUE SÓ PORQUE O MEU PECADO É DIFERENTE DO SEU". FRASE QUE ELE VIU NUM CAMINHÃO.
LEMBRE-SE NO FINAL O QUE CONTA É: OS MISERICORDIOSOS, ALCANÇARÃO MISERICÓRDIA.

3. PRECISAMOS DAR O DEVIDO VALOR AO EVANGELHO, ELE É A NOSSA PÉROLA DE GRANDE VALOR. PRECISAMOS COMPARTILHÁ-LO COM NOSSOS AMIGOS, VIZINHOS.
PRECISAMOS CONVIDÁ-LOS A VIREM A CRISTO.
ALMA 25:33-34
4. O CRESCENTE NÚMERO DE MISSIONÁRIOS NO CAMPO, ESTÁ SENDO UM MARCO IMPORTANTE NA  IGREJA. SOMOS RESPONSÁVEIS POR LEVAR O EVANGELHO AO MUNDO.

5. 3 NÉFI 11:10-11, 31-33
SOMOS SALVOS PELA GRAÇA DE JESUS CRISTO.
A DOUTRINA DO EVANGELHO É:
TER FÉ EM CRISTO, ACREDITAR NELE.
ARREPENDER-SE VERDADEIRAMENTE.
BATIZAR-SE POR IMERSÃO, POR QUEM POSSUA AUTORIDADE.
RECEBER O DOM DO ESPÍRITO SANTO.
FÉ NÃO É UM SENTIMENTO É UMA DECISÃO.
O SENHOR RESOLVERÁ TODOS OS PROBLEMAS
D&C 42:29
NÃO IMPORTA QUAL O TAMANHO DE NOSSA FÉ, SE NÃO GUARDAMOS OS MANDAMENTOS.
" O HOMEM DE FÉ SEMPRE ENCONTRA UM MEIO, O HOMEM COMUM SEMPRE ENCONTRA UMA DESCULPA."


O PRÓPOSITO DO  HOME E DA MULHER É PROGREDIR JUNTOS.
PRECISAMOS SER O MAIOR MOTIVO DE ALEGRIA DO NOSSO CÔNJUGE.]
I CORÍNTIOS 11:11
PRECISAMOS SER MELHORES COMPANHEIROS.
PRECISAMOS SER MELHORES PAIS.
O PAI CELESTIAL NUNCA DESEMPARA UM JUSTO, UM SERVO FIEL.
I JOÃO 8:4.


FOI UMA HONRA OUVIR OS SERVOS DO SENHOR FALANDO!
POSSO TESTIFICAR QUE FOI UMA CONFERÊNCIA DE MUITAS REVELAÇÕES E DE MUITO PODER.


PARABÉNS AO NOSSO BELO CORO. FOI MA-RA-VI-LHO-SO!